CATARATA

CATARATA

O que é Catarata?

Catarata é opacidade parcial ou total do cristalino. Cristalino é uma lente natural do olho, localizada atrás da pupila. Através dela, os raios luminosos convergem para formação da imagem na retina, sendo, portanto, uma estrutura importantíssima para uma visão nítida

Quais são as causas da catarata?

As cataratas são formadas por depósitos de proteínas ou pigmentos amarelados no cristalino, que diminuem a transmissão de luz para a retina na parte de trás do olho. A catarata é uma doença multifatorial e pode ser congênita ou adquirida. A causa mais comum da catarata é o envelhecimento do cristalino que ocorre pela idade, denominada de catarata senil. Porém também poderá estar associada a alterações metabólicas que ocorrem em certas doenças sistêmicas, (ex. Diabetes Mellitus), oculares (ex. uveíte), tabagismo, alcoolismo, secundária ao uso de certos medicamentos (ex. corticoides) ou a trauma ocular (contuso, perfurante, por infravermelho, descarga elétrica, radiação ultravioleta, raios X, betaterapia ou queimaduras químicas graves).

Quais são os sintomas da catarata?

Os principais sintomas da catarata são: sensação de visão embaçada, alteração contínua da refração (grau dos óculos), maior sensibilidade à luz, espalhamento dos reflexos ao redor das luzes e percepção que as cores estão desbotadas. Geralmente há uma piora da miopia com redução da visão em baixo contraste e baixa luminosidade principalmente para longe, comparativamente à visão para perto. Somente o oftalmologista poderá solicitar os exames necessários para a confirmação do diagnóstico, bem como, indicar o melhor procedimento cirúrgico para tratamento.

O que posso fazer para prevenir o aparecimento da catarata?

Não há como evitar a predisposição genética e nem o envelhecimento do cristalino. Porém, algumas medidas preventivas podem ser realizadas visando reduzir alguns fatores de risco para o desenvolvimento da catarata. Reduzir o tabagismo, proteger-se contra a radiação ultravioleta (principalmente UVB) e traumas, controlar o Diabetes Mellitus, e evitar o uso de corticoides são cuidados que podem ser eficazes na prevenção da catarata. É fundamental ter consciência dos perigos da automedicação.

Como se faz o diagnóstico?

O diagnóstico de catarata é feito pelo oftalmologista que através de um exame de biomicroscopia acompanhado da dilatação da pupila verifica o grau de opacidade do cristalino. Constatada a catarata, deve-se verificar o grau de deficiência visual apresentado para que se discuta com o paciente o momento adequado de realizar o tratamento.

São realizados outros exames modernos para medir com precisão qual a melhor lente intra-ocular para o paciente através da Biometria Ocular. Também é realizado o Mapeamento de Retina para avaliar se algumas outras doenças (Ex: Diabetes) também contribuem para baixa visão do paciente, e para avaliar o prognóstico visual da cirurgia.

A microscopia especular é necessária para avaliar a saúde das células endoteliais corneanas, e dessa forma poder diagnosticar possíveis distrofias corneanas e tomar todos os cuidados necessários para realização da cirurgia

Através da Topografia Corneana, avalia-se a presença e tipo do astigmatismo, e se é necessário o uso das lentes intra-oculares tóricas.

Qual o tratamento da Catarata?

O tratamento da catarata é cirúrgico. Não existem colírios ou qualquer outro tratamento clínico para correção desta opacidade do cristalino.

Quando a catarata deve ser operada?

A partir do momento em que a baixa acuidade visual não é mais corrigida com o uso de correções ópticas há indicação cirúrgica. O momento propício para a realização da cirurgia depende também do prejuízo e do comprometimento que esta opacificação vem trazendo ao cotidiano e as funções habituais do paciente. Antigamente era necessário esperar a catarata ficar “madura”, ou seja, avançada, para a realização da cirurgia. Hoje em dia, com as modernas técnicas e aparelhos, a recomendação consensual é que a cirurgia seja indicada nas fases iniciais da catarata, pois o procedimento torna-se muito mais rápido, fácil e seguro. Além disso, o tempo de recuperação é menor quando a cirurgia da catarata é realizada nos estágios iniciais. Portanto, a recomendação mais moderna é que a cirurgia seja realizada logo que os primeiros sintomas apareçam.

Como é feita a cirurgia de catarata?

A cirurgia de catarata consiste na remoção do cristalino por microfragmentação e aspiração do núcleo, num processo chamado Faco-emulsificação com implante de lente intra-ocular, onde após a retirada completa da catarata, é implantada uma nova lente, tudo isso sem a necessidade de dar nenhum ponto. Atualmente, temos também a opção de corrigir erros refrativos (miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia) na cirurgia de catarata, ou seja, além de retirarmos a catarata contamos com uma variedade de lentes intra-oculares que ajudam a corrigir esses erros refrativos. O oftalmologista especialista em catarata avaliará em conjunto com o paciente qual lente intraocular é a mais indicada para melhor satisfazer a sua visão no pós-operatório.

A cirurgia de catarata é realizada com LASER?

Na técnica moderna desta cirurgia, o laser de femtosegundo pode ser usado para realizar alguns passos da cirurgia, como a confecção das incisões, a retirada de uma parte da membrana que envolve o cristalino e a fragmentação da catarata, mas a aspiração dos fragmentos será realizada através do facoemulsificador.

A cirurgia de catarata com facoemulsificador foi muito difundida erradamente como sendo “a laser”, por isso muitos pacientes acreditam ter realizado a cirurgia a laser. Porém atualmente, dispõe-se do laser femtosegundo, que pode ser usado para realizar algumas etapas da cirurgia.

Que tipo de anestesia é usada na cirurgia de catarata?

A anestesia é local podendo ser realizada somente com gotas anestésicas, ou através da injeção de pequena quantidade de anestésico local na região inferior da órbita, técnica denominada bloqueio peribulbar, onde o globo permanece sem movimento e sem sensibilidade. O paciente pode se manter lúcido ou ligeiramente sedado. A anestesia é sempre realizada por profissional habilitado, médico anestesista, que também é o responsável pelo acompanhamento clínico do paciente durante o procedimento, com monitorização cardíaca e oximetria de pulso ao longo da cirurgia.

Quanto tempo dura cirurgia?

A cirurgia dura em média 15-30 minutos

Precisa de internação?

Não.

Quais os riscos da cirurgia?

A cirurgia de catarata atualmente é uma cirurgia muito segura com baixo indice de complicação. No entanto, como toda cirurgia existe risco e a principal complicação é a infecção ocular que ocorre no pós operatório.

Por isso a necessidade do uso de colírio contendo antibiótico e da boa higiene pessoal para sua prevenção. O risco maior dessa infecção se dá dentro da primeira semana. Qualquer sinal ou dúvida que ocorra dentro deste período entre em contato imediato com o oftalmologista. Os riscos são mínimos, mas existem.

Existe risco da catarata voltar após a operação?

Não. Uma vez retirada e substituída por uma lente intraocular, a catarata não voltará mais. O que pode ocorrer em alguns casos é um processo de fibrose na membrana que serve como suporte para lente intraocular. Dependendo da intensidade dessa fibrose a membrana pode se tornar opaca prejudicando a visão. Para resolver essa opacidade é recomendo um procedimento denominado de capsulotomia por Yag LASER. Este procedimento é realizado em caráter ambulatorial, é indolor e, quando indicado, traz melhora significativa da visão

Como é o pós-operatório da cirurgia de catarata?

O pós-cirúrgico de catarata é tão tranquilo que é possível comer normalmente (sem nenhum tipo de restrição alimentar), ler normalmente e até mesmo trabalhar normalmente no computador. Basta respeitar o período de descanso e a aplicação dos colírios para que a recuperação seja realizada com sucesso.

1) O paciente só poderá abaixar a cabeça normalmente quando for autorizado pelo médico;
2) É recomendado aguardar, no mínimo, dez dias para fazer ginástica e quinze dias para hidroginástica;
3) Atividades sexuais estão autorizadas, após uma semana;
4) Durante uma semana é necessário evitar ambientes que tenham muita poeira, fagulhas, ciscos etc;
5) Não há restrições para o hábito de assistir tv desde que não cause desconforto;
6) O banho pode ser completo no dia seguinte após a cirurgia, sendo necessário ter o máximo cuidado com o olho operado, principalmente ao lavar a cabeça e o rosto;
7) Ao dormir, evite pressionar o olho operado no travesseiro;
8) É terminantemente proibido coçar ou apertar o olho operado.

Por que implantar uma lente intraocular?

Após a remoção do cristalino nebuloso (catarata), uma lente intra ocular para cirurgia de catarata deverá ser implantada, retomando a nitidez da visão. É muito importante que seja implantada uma lente de alta qualidade, para que além de segurança, o paciente tenha uma ótima visão. Fazemos uso de lente intra-ocular dobrável e de alta qualidade, permitindo que a mesma seja implantada no olho através de um micro-orifício e resulte em uma ótima visão e segurança.

Existe a possibilidade de abandonar o uso do óculos após a cirurgia de catarata?

Sim, existe! Implantando uma das lentes intra-oculares que proporcionam independência dos óculos.

Qual lente intra-ocular é a melhor?

A escolha da lente intra-ocular deve ser individualizada (feita através da avaliação clínica e exames oftalmológicos modernos para escolha da melhor lente para o paciente). O que é melhor para um não significa que seja a melhor para você. A escolha adequada da LIO (Lente Intraocular) é de suma importância para satisfação pós cirurgica do paciente. O implante de uma LIO possibilita além da restauração da visão uma correção refrativa também, ou seja, uma correção do grau dos óculos.

Para isso existem as LIOs monofocais (esféricas e asféricas) e as chamadas de LIOs “Premium” (tórica, multifocal, multifocal-tórica) com alta tecnologia que corrigem astigmatismo e possibilitam a multifocalidade (visão de perto e longe). O oftalmologista através do estudo adequado do olho do paciente poderá julgar qual a melhor opção de LIO levando em consideração a expectativa visual do paciente.

LIOs Monofocais (corrige apenas uma distância):
• Esféricas (corrige miopia/hipermetropia)
• Asféricas (corrige miopia/hipermetropia e diminui aberração esférica da córnea)

LIOs “Premium”
• Tórica (corrige miopia/hipermetropia e astigmatismo)
• Multifocal (proporciona visão de longe e perto)
• Multifocal-Tórica

Em um estudo clínico realizado nos Estados Unidos, 80% dos pacientes que receberam a lente intra-ocular do tipo multifocal foram capazes de realizar tarefas diárias (ler, ir ao supermercado, dirigir, etc) sem o uso de óculos. Nos pacientes em quem foram implantadas as lentes intra-oculares normais (LIO´s monofocais), apenas 5% destes foram capazes de realizar as mesmas atividades.

O implante da lente intra-ocular é permanente?

A lente implantada no olho tem duração permanente, não necessitando ser substituída com o tempo. Por isso é necessário que seja a melhor lente intra-ocular existente no momento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *